Horário: De terça a domingo. Das 10h00 às 18h00.

Rua do Mosteiro, 59

4700 - 565 Mire de Tibães, Braga

A Carta de Couto

Carta de Couto do Mosteiro de Tibães (1110)

Doação da Carta de Couto ao Mosteiro de São Martinho de Tibães, Braga, em 1110

Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Eu, Conde Dom Henrique, e a minha mulher infanta Dona Teresa filha do Rei Afonso, decidi para nós para fazermos, assim fizemos, deste modo o Couto e termo para o mosteiro de S. Martinho de Tibães. Fizemos aquele Couto e termo a favor do amor de nosso Senhor Jesus Cristo. Para que tenhamos daí em diante a mercê de Deus omnipotente no dia do Juizo e para os servos de Deus que aí habitam ou teriam habitado. Tenham sempre a nossa memória nas missas, nos cantos e em todos os trabalhos que respeitam a Deus. A favor de vós Pedro Palaiz, Menendo Palaiz e Pelagio Pelaiz os quais nos fizestes sempre escravos (servos). Fazeis este de fiel e verdadeiro. Fizemos, por fim, o que nos agrade e é de direito.

Por fim, de maneira que divide (Palatium?) Palácio com Vilarinho, daí por termo de Ulgoso daí da mesma forma divida Tibães com Martim, daí por termo de Cabreiros, vem pelo termo Semelhe e daí da mesma maneira divide Parada com Frossos e daí Cernato, daí por Gandarela, daí por aquela Fonte de S. Pedro de Merelim, daí ao Castro Mau, daí por aquele Carreiro (carrariam) antigo que leva a Macrome, daí por aquele rio de Cávado e leva aquela foz de Gesmonde.

Porventura está terminado do Mosteiro de S. Martinho de Tibães, o que fazemos a nós acima designado. Assim, de hoje e para sempre que permaneça o próprio termo ou Couto de direito. Arrebato para nós ou em vosso direito ou transmitido ao domínio daquele Mosteiro.

Se alguém a partir de hoje e para sempre, um homem, rei, conde, autoridade ou não autoridade, Este nosso facto queira infrigir. Em primeiro permaneça excomungado e anatemizado, que com Judas traidor teve princípio. Produza depois parte próprio mosteiro ou que dirija com a voz deste XII doze mil soldos (doze na totalidade) e seis (VI) talentos de ouro. Fique este nosso facto firmemente.

Fez-se reconhecido e dividido e inventariado 8 kalendas de Abril (25 de Março). Era de 1148. Eu Conde Henrique una com minha mulher Infanta Dona Teresa e com as nossas mãos confirmamos e (coroboramos?)

Debaixo do nome de Cristo, o abade Nuno do Mosteiro de Tibães, os quais viu e conferiu